Close

Não tem uma conta?

Faça seu registro!
lock and key

Entre na sua conta.

Login

Esqueceu sua senha?

Diário de Design – Metal Pesado – Parte 1

Diário de Design – Metal Pesado – Parte 1

Este diário de design serve como um exemplo do processo de desenvolvimento de um jogo de RPG simples, que será apresentado no concurso RPGenesis (sobre o qual já existe um post aqui na página da Secular).

Como participante, fiquei algum tempo da semana passada pensando a respeito do tema que gostaria de desenvolver. Temos do dia 1º ao dia 13 de Agosto para tal tarefa. Havia escolhido um RPG com temática de Heavy Metal primeiro porque no momento em que comecei a pensar a respeito, vi um jogo de Playstation 3 que curto bastante – Brütal Legend – que tem esta exata pegada. Segundo porque sou notoriamente ignorante sobre qualquer coisa relacionada a música, e resolvi fazer algo que de alguma forma ofendesse o bom senso de meu amigo Rocha.

Ao longo da semana, enquanto criava algumas descrições estereotipadas a respeito de metaleiros em um cenário de fantasia bem cruel (que depois de passear pela wikipedia, percebi que eram na verdade descrições da turma do rock glam), vi que não era o ideal porque ficaria grande demais. Considerando que teria uma semana para escrever, criar um cenário sobre um assunto que desconheço (mesmo falando bastante pela bunda, ou sem propriedade), incluindo tipos de PCs, monstros, magias e tudo mais que eu queria incluir, a tarefa seria, no mínimo, desagradável. Anotei a idéia, vou encomendar uns livros a respeito do metal e de toda a cultura ao redor dele, e repensar nisso futuramente. Idéias NUNCA são desperdiçadas!!

Contudo, o tema ainda persistia. Heavy Metal. Metal Pesado. Martelando estas palavras, não cheguei em nenhuma conclusão muito interessante, passando por um jogo espacial onde todos os PCs seriam pilotos de grandes naves pesadas de metal, ou um a respeito da era do aço, tipo uma fantasia bárbara (mas que estava perto demais do primeiro conceito), e até mesmo um de supers, onde todo mundo seria contaminado por chumbo.

Já na quinta-feira, fui em uma banca de revistas próxima da minha casa, e lá vi uma edição nova de Cavaleiros do Zodíaco Episódio G (de Gold, não Gay) e algo se encaixou. Supers com armaduras!

A idéia foi se moldando ao longo do final de semana. Haveriam algumas armaduras, cada uma ligada a um tema, e divididas em várias partes espalhadas pelo planeta. Algumas pessoas encontrariam partes da armadura, e ganhariam certos poderes (de acordo com a parte localizada). Com isso, eu já tinha a semente dos PCs e seus antagonistas.

Pegando emprestado uma idéia genial de Jojo’s Bizarre Adventure, um excelente manga, desenvolvi o conceito de que o destino atrai todos estes usuários de partes das armaduras, e os envolve em disputas devido às suas grandes ambições. Dessa forma, já teria o gancho de uma campanha, e as primeiras idéias de regras envolvendo estas relações de ambição, rivalidade e amizade que abastecerão suas tramas.

Na história do jogo, as armaduras teriam chegado à Terra há muitos milênios, por motivos desconhecidos. Desde então elas vêm ressurgindo de tempos em tempos, provocando épocas turbulentas como as Cruzadas, as duas Guerras Mundiais, a ascensão e queda de impérios como o Romano e o Persa, dentre outros. Com isso, o jogo pode ser ambientado em qualquer destas épocas, mas por default, o cenário é o mundo moderno, quando as peças das armaduras começam a ressurgir.

Cada armadura é conectada a uma determinada Chave Universal, um equipamento alienígena que reside em outro planeta e confere certos poderes nele baseados. Por exemplo, a Armadura Iced Earth é ligada ao Gelo, e tem o poder de comandar baixas temperaturas, criar gelo, e de certa forma, influenciar o clima.

A ideia final é de que as  regras deverão ser simples e rápidas, com confrontos e resoluções ágeis que permitam partidas curtas em formato de mini-campanhas. Se não for possível completar isso com o tempo dado, o jogo terá apenas uma campanha default e personagens prontos para serem nela utilizados.

Na próxima parte, vou falar um pouco mais sobre o desenvolvimento da idéia em termos de regras e ganchos.

 

2 comentários

  • Marcos Silva disse:

    Ótima iniciativa, Tiago. Gosto muito do formato de “diário”, mostrando os bastidores da criação dos jogos. Que bom você ter decidido participar do RPGênesis. Ainda não vi uma entrada sua no Garagem ou no Abre o Jogo.
    Fico no aguardo de mais detalhes sobre a saga das armaduras alienígenas!

  • Blabla disse:

    Muito interessante isso aí. Quero ver isso pronto xD
    Uma ideia de inspiração também é o anime D.Gray Man, que apesar de ser algo meio “exorcistas e demônios” combina as armaduras alienígenas com o conceito das “innocence” do anime, as armas usadas pelos Exorcistas 😀